Nutrição na terceira idade

Na terceira idade devemos dar mais importância ao consumo variado de alimentos, menor ingestão de gorduras saturadas e colesterol, maior consumo de frutas, verduras, legumes e grãos, aumentar a ingestão de água ao longo do dia, ingestão moderada de açúcar, sal e bebidas alcoólicas.

A prática de exercícios físicos é recomendada visando à perda ou manutenção do peso adequado como também, a prevenção de doenças entre elas, as cardiovasculares, diabete, hipertensão e osteoporose.

O envelhecimento é um processo natural do organismo, sendo este progressivo e não reversível. Durante este processo ocorrem alterações em todas as partes do organismo e estas devem ser acompanhadas para que sejam evitados danos à saúde.

Uma das alterações deste processo são o aumento da massa gorda e diminuição da massa muscular (água, tecido ósseo e tecido muscular). Esta alteração é resultado de uma série de fatores como: diminuição de atividade física, hábitos alimentares inadequados, diminuição da água corporal, entre outros fatores.
É comum alteração no paladar, devido à diminuição das papilas gustativas que permitem sentir os sabores (doce, amargo, ácido e amargo). Além disso, pode ocorrer alteração na dentição que prejudica a mastigação.

A alimentação deve ser variada e adaptada a esta fase, para realçar o sabor dos alimentos e torná-los mais fáceis de serem mastigados e deglutidos (engolir), mantendo o equilíbrio na oferta de nutrientes.

Os lipídios (gorduras) possuem um papel importante já que auxiliam na absorção de vitaminas lipossolúveis. Gorduras chamadas poliinsaturadas e monoinsaturadas, nas quantidades adequadas, devem compor parte da alimentação já que auxiliam na prevenção de doenças cardiovasculares.

As proteínas possuem um papel estrutural. Neste período ocorre a perda de massa magra e por isso uma alimentação que atenda a necessidade de proteína é de essencial importância. Ela deve ser de boa qualidade (origem animal) e de acordo com a digestibilidade de cada organismo. O melhor é optar por carnes mais magras e preparações cozidas e assadas que, além de serem mais saudáveis, deixam a carne mais macia e de fácil mastigação.

Os carboidratos são as fontes principais de energia, por isso devem compor parte da alimentação, priorizando alimentos integrais que auxiliam também no bom funcionamento intestinal.

Os idosos, portanto, devem ter uma atenção especial com a alimentação, devido as constantes mudanças que ocorrem nesta fase.

O acompanhamento nutricional torna-se necessário para identificar erros e deficiências alimentares a tempo de corrigi-las sem causar danos à saúde. Além disso, é possível através da alimentação preservar e melhorar o estado nutricional refletindo, também, em melhora da qualidade de vida do idoso.

 

 

Comentários fechados.